quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

SANTO TOMÁS DE AQUINO

Neste dia lembramos uma das maiores figuras da teologia católica: Santo Tomás de Aquino. Conta-se que, quando criança, com cinco anos, Tomás, ao ouvir os monges cantando louvores a Deus, cheio de admiração perguntou: “Quem é Deus?”.
A vida de santidade de Santo Tomás foi caracterizada pelo esforço em responder, inspiradamente para si, para os gentios e a todos sobre os Mistérios de Deus. Nasceu em 1225 numa nobre família, a qual lhe proporcionou ótima formação, porém, visando a honra e a riqueza do inteligente jovem, e não a Ordem Dominicana, que pobre e mendicante atraia o coração de Aquino.
Diante da oposição familiar, principalmente da mãe condessa, Tomás chegou a viajar às escondidas para Roma com dezenove anos, para um mosteiro dominicano. No entanto, ao ser enviado a Paris, foi preso pelos irmãos servidores do Império. Levado ao lar paterno, ficou, ordenado pela mãe, um tempo detido. Tudo isto com a finalidade de fazê-lo desistir da vocação, mas nada adiantou.
Livre e obediente à voz do Senhor, prosseguiu nos estudos sendo discípulo do mestre Alberto Magno. A vida de Santo Tomás de Aquino foi tomada por uma forte espiritualidade eucarística, na arte de pesquisar, elaborar, aprender e ensinar pela Filosofia e Teologia os Mistérios do Amor de Deus.
Pregador oficial, professor e consultor da Ordem, Santo Tomás escreveu, dentre tantas obras, a Suma Teológica e a Suma contra os gentios. Chamado “Doutor Angélico”, Tomás faleceu em 1274, deixando para a Igreja o testemunho e, praticamente, a síntese do pensamento católico.

Santo Tomás de Aquino, rogai por nós!

domingo, 25 de janeiro de 2015

CONVERSÃO DE SÃO PAULO


Hoje, nossa Arquidiocese celebra a Solenidade da conversão de São Paulo.
Ao celebrar a festa da conversão de São Paulo apóstolo, neste dia 25, é bom fazer uma pergunta fundamental: O que levou Saulo, um homem de profunda rigidez na observância dos preceitos hebraicos, a tão alto grau de excelência na fé cristã e na propagação desta? O que proporcionou uma mudança assim tão radical a ponto de transformar um grande perseguidor em um enorme apóstolo?
O dicionário da língua portuguesa, dentre outras definições, aponta a palavra conversão sob dois pontos culminates: sob o ponto de vista da Psicologia é o processo em virtude do qual emoções se transformam em manifestações físicas. E sob o ponto de vista da Física é oprocesso de decaimento radioativo em que a energia de um núcleo excitado se transfere para um elétron orbital que é ejetado do átomo, acompanhado, em geral, pela emissão de rais X característicos.
Você deve estar se perguntando: “O que estas duas definições têm a ver com Saulo, sua conversão e seu ministério na Igreja?” É a definição mais cabível que encontrei para explicar o processo sucedido na vida deste grande servo de Deus, que de tão intenso foi convencido a mudar o próprio nome para Paulo.
Uma pessoa que se converte a uma religião ou retorna a freqüentar àquela religião da infância, abandonada havia tempos, logo deixa certos vícios e maus costumes. Como devemos aferir, na vida do apóstolo Paulo não foi assim, pois ele cultivava uma vida reta e santa segundo a doutrina hebraica. Por isso, a conversão deste apóstolo é algo maior do que um simples mudar de direção ou de religião.
Saulo, nascido em Tarsus – cidade da atual Turquia – foi detido, a caminho de Damasco, por meio de um encontro inusitado e inesperado com Alguém a quem ele negava e perseguia. Este encontro foi tão marcante que o jogou por terra, tirando-lhe a vista e tornando-o dependente dos demais. Um homem que antes perseguia, maltratava e aprisionava os cristãos, agora se torna frágil e dependente, todavia não por muito tempo, mas somente para o período necessário à “transformação atômica” do seu ser. Após esse encontro, ele sentiu-se profundamente tocado, assim como os átomos que são excitados com a energia atômica. Todavia o que o tocou não foi uma energia atômica, mas algo muito mais potente e mais sublime que esta. Ele foi tocado pelo Amor! Era isso que faltava na vida dele, que era um verdadeiro seguidor da lei. Faltava o Amor, que é Jesus!
Ele sofreu uma transformação radical em contato com o Amor e a partir daquele momento não poderia mais ser o mesmo, nem estar fechado no seu mundo de judeu observante da lei e da religião judaicas, mas tinha de ir proclamar a todo o mundo, que este Amor é Jesus de Nazaré, a quem, antes, ele perseguia ferozmente.
Neste ponto entra em questão a segunda parte da definição de conversão. Após a conversão não se pode ficar estático, mas se deve ter “manifestações físicas” e “emissões de raios X característicos”. Isso aconteceu com Paulo, pois, após sua conversão ao Amor, ele se tornou o apóstolo de todas as gentes.
Portanto, a Festa da Conversão de São Paulo pode levá-lo a dois questionamentos fundamentais para as práticas cristãs: Você já recebeu Jesus, que é Amor, e fez sua experiência pessoal com Ele? Ou vive no seguimento de leis e estatutos, que por si só não têm vida?

Paulo viveu há aproximadamente dois mil anos aqui na Terra Santa, mas, hoje, o encontro com Jesus pode acontecer com você, aí onde você está agora. Basta estar atento à voz do Deus-Amor e aceitá-Lo.


sábado, 24 de janeiro de 2015

JOSELEITOS REUNIDOS EM RETIRO E CAPÍTULO GERAL

De 26  a 29 de janeiro, os Joseleitos de Cristo de todas as partes do Brasil, estarão reunidos para o Retiro anual. O Orientador será D. Julio Endi Akamine, SAC, Bispo Auxiliar de São Paulo. 



Nos dias 30 e 31 Os Joseleitos realizarão o Capítulo Geral Extraordinário, onde dentre outros temas, refletirão sobre o Diretório de Formação. 
Acompanhemos nossos irmãos com nossas orações. 

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

SÃO SEBASTIÃO, ROGAI POR NÓS!

O santo de hoje nasceu em Narbonne; os pais eram oriundos de Milão, na Itália, do século terceiro. São Sebastião, desde cedo, foi muito generoso e dado ao serviço. Recebeu a graça do santo batismo e zelou por ele em relação à sua vida e à dos irmãos.
Ao entrar para o serviço no Império como soldado, tinha muita saúde no físico, na mente e, principalmente, na alma. Não demorou muito, tornou-se o primeiro capitão da guarda do Império. Esse grande homem de Deus ficou conhecido por muitos cristãos, pois, sem que as autoridades soubessem – nesse tempo, no Império de Diocleciano, a Igreja e os cristãos eram duramente perseguidos –, porque o imperador adorava os deuses. Enquanto os cristãos não adoravam as coisas, mas as três Pessoas da Santíssima Trindade.
Esse mistério o levava a consolar os cristãos que eram presos de maneira secreta, mas muito sábia; uma evangelização eficaz pelo testemunho que não podia ser explícito.
São Sebastião tornou-se defensor da Igreja como soldado, como capitão e também como apóstolo dos confessores, daqueles que eram presos. Também foi apóstolo dos mártires, os que confessavam Jesus em todas as situações, renunciando à própria vida. O coração de São Sebastião tinha esse desejo: tornar-se mártir. E um apóstata denunciou-o para o Império e lá estava ele, diante do imperador, que estava muito decepcionado com ele por se sentir traído. Mas esse santo deixou claro, com muita sabedoria, auxiliado pelo Espírito Santo, que o melhor que ele fazia para o Império era esse serviço; denunciando o paganismo e a injustiça.
São Sebastião, defensor da verdade no amor apaixonado a Deus. O imperador, com o coração fechado, mandou prendê-lo num tronco e muitas flechadas sobre ele foram lançadas até o ponto de pensarem que estava morto. Mas uma mulher, esposa de um mártir, o conhecia, aproximou-se dele e percebeu que ele estava ainda vivo por graça. Ela cuidou das feridas dele. Ao recobrar sua saúde depois de um tempo, apresentou-se novamente para o imperador, pois queria o seu bem e o bem de todo o Império. Evangelizou, testemunhou, mas, dessa vez, no ano de 288 foi duramente martirizado.

São Sebastião, rogai por nós!

domingo, 18 de janeiro de 2015

PALAVRA DE DEUS NO DOMINGO

Evangelho de Jesus Cristo segundo João 1,35-42


Naquele tempo:
35João estava de novo com dois de seus discípulos
36e, vendo Jesus passar, disse:
'Eis o Cordeiro de Deus!'
37Ouvindo essas palavras,
os dois discípulos seguiram Jesus.
38Voltando-se para eles e vendo que o estavam seguindo,
Jesus perguntou:
'O que estais procurando?'
Eles disseram:
'Rabi (que quer dizer: Mestre), onde moras?'
39Jesus respondeu: 'Vinde ver'.
Foram pois ver onde ele morava
e, nesse dia, permaneceram com ele.
Era por volta das quatro da tarde.
40André, irmão de Simão Pedro,
era um dos dois que ouviram as palavras de João
e seguiram Jesus.
41Ele foi encontrar primeiro seu irmão Simão
e lhe disse: 'Encontramos o Messias
(que quer dizer: Cristo)'.
42Então André conduziu Simão a Jesus.
Jesus olhou bem para ele e disse:
'Tu és Simão, filho de João;
tu serás chamado Cefas' (que quer dizer: Pedra).
Palavra da Salvação.