sexta-feira, 29 de julho de 2016

SANTA MARTA




É considerada em particular como patrona das cozinheiras e sua devoção teve início na época das Cruzadas

Hoje lembramos a vida de Santa Marta, que tem seu testemunho gravado nas Sagradas Escrituras. Padres e teólogos encontram em Marta e sua irmã Maria, a figura da vida ativa (Marta) e contemplativa (Maria). O nome Marta vem do hebraico e significa“senhora”.

No Evangelho, Santa Marta apresenta-se como modelo ativo de quem acolhe: “… Jesus entrou em uma aldeia e uma mulher chamada Marta o recebeu em sua casa” (Lc 10,38).

Esta não foi a única vez, já que é comprovada a grande amizade do Senhor para com Marta e seus irmãos, a ponto de Jesus chorar e reviver o irmão Lázaro.

A tradição nos diz que diante da perseguição dos judeus, Santa Marta, Maria e Lázaro, saíram de Bethânia e tiveram de ir para França, onde se dedicaram à evangelização. Santa Marta é considerada em particular como patrona das cozinheiras e sua devoção teve início na época das Cruzadas.

Santa Marta, rogai por nós!

quinta-feira, 28 de julho de 2016

ALGUMAS IMAGENS DA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE - POLÔNIA















APROXIMA-SE A NOSSA PEREGRINAÇÃO



No próximo dia 30 de julho, por ocasião do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, peregrinaremos até a Paróquia Nossa Senhora da Lapa - Lapa. 

Nos encontraremos às 14h30 em frente à Porta Santa, atravessaremos a porta, teremos um momento de oração e a Santa Missa às 15 horas. 

ALGUMAS INFORMAÇÕES IMPORTANTES: 


PORTA SANTA E IGREJAS DE PEREGRINAÇÃO

A Porta Santa tem um valor simbólico muito especial na fé cristã. Jesus mesmo é a porta dos pastores e das ovelhas (cf. Jo 10,7). Quem quiser chegar a Deus, precisa passar por esta porta: “Ninguém vai ao Pai, a não ser por mim” (Jo 14,6). Ele é a “porta da misericórdia” de Deus para o mundo e todos podemos bater a essa porta, sempre que quisermos; ela nunca deixará de se abrir para nós.

Passar pela Porta Santa é uma ação simbólica e deve significar nossa atitude de fé em Deus misericordioso e em Jesus Cristo Salvador, bem como nosso desejo de obter misericórdia e indulgência da parte de Deus. A passagem pela Porta Santa deve ser preparada com fé e oração, para levar-nos ao encontro profundo com o Deus da misericórdia através da escuta da Palavra, da Confissão e da Eucaristia.

A Porta Santa aberta é um convite a entrar, a não ficar fechados e indiferentes diante da graça especial que Deus nos oferece. Uma das obras de misericórdia espirituais, ao longo do Ano Santo, pode ser justamente esta: visitar pessoas afastadas da Igreja e da prática da vida cristã e convidá-las com carinho a passarem pela Porta Santa, que é Cristo, e a retomarem a participação na vida da Igreja.

PEREGRINAÇÕES

Peregrinações fazem parte de quase todas as tradições religiosas do mundo. Na Bíblia, conhecemos as peregrinações anuais para o templo de Jerusalém, que também Jesus fazia. No Cristianismo, os lugares relacionados com as origens da nossa fé e ligados a Jesus Cristo e aos apóstolos tornaram-se metas de peregrinação bem cedo e continuam sendo até hoje. Muitos outros “lugares santos” e santuários, especialmente significativos para a fé, como os lugares das aparições de Nossa Senhora ou o túmulo dos santos e dos mártires, passaram a fazer parte da piedade popular e metas de peregrinação. A Igreja põe grande valor nas peregrinações e estimula a pastoral dos santuários e lugares santos.

As peregrinações também têm forte valor simbólico e lembram o peregrinar do homem pelo mundo, sem que tenha aqui “pátria definitiva” (cf. Fl 3,20): estamos à procura da “cidade que há de vir”, a “Jerusalém celeste” (cf. Ap 21,1-2). Somos peregrinos neste mundo e buscamos a “casa do Pai” (cf. Jo 14,2). Quando o homem se põem a peregrinar, ele procura matar um pouco daquela saudade misteriosa do encontro com Deus, que todos trazem no coração. Ao fazê-lo, os cristãos procuram seguir os passos de Jesus Cristo Salvador, “caminho, verdade e vida”, que vai à frente da humanidade peregrinante, para que ela não perca o rumo nem desfaleça no caminho (cf. Jo 14, 5-6).

INDULGÊNCIAS

O Jubileu inclui também a concessão especial da indulgência, que se relaciona sempre com o perdão de Deus para os nossos pecados. “O Senhor é misericordioso e compassivo, lento para a cólera e rico em bondade” (Sl 103,8). A indulgência está ligada ao poder de perdoar os pecados, que Jesus confiou aos apóstolos e à Igreja: “Aqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados” (Jo 20,23). Pela confissão, os pecados são perdoados; e pela indulgência, ficam curadas as consequências do pecado em nós; a misericórdia de Deus nos restaura para a prática do bem 7.

A recepção válida da indulgência plenária, conforme prescrição da Igreja, deve obedecer a algumas condições: arrependimento sincero dos pecados e desejo firme de conversão; confissão sacramental, ou ter confessado há pouco tempo; participação da Santa Missa e comunhão eucarística; renovação da profissão da fé católica; oração pelo Papa e as suas intenções pela Igreja de todo o mundo; alguma ação concreta de caridade. Os fiéis e peregrinos deverão ser avisados sobre essas normas no início de cada Missa, na qual é concedida a indulgência.

O Papa Francisco observa que, no Ano Santo da Misericórdia, a indulgência ganha uma relevância ainda maior 8. Não tenhamos medo, nem falso respeito humano ao falar das indulgências: se houve abusos no passado, com a “venda de indulgências” por parte de alguns, isso foi errado e deve estar superado. Mas isso não nos deve impedir de realizar hoje, com propriedade, algo aprovado pela fé católica e pela prática legítima da Igreja. O povo de Deus tem o direito de receber a indulgência ligada às práticas do Ano Santo.

Também os doentes, idosos e pessoas impedidas de participar das peregrinações podem ganhar a indulgência, bem como os encarcerados. Recomendo a leitura da Carta do Papa Francisco, de 1º de Setembro de 2015, sobre a concessão das indulgências no Ano Santo da Misericórdia (cf. www.arquisp.org.br).

Cardeal Odilo Pedro Scherer
Arcebispo Metropolitano de São Paulo

quarta-feira, 27 de julho de 2016

PREPARE-SE PARA PEREGRINAR...




CONFISSÕES EM PREPARAÇÃO PARA A PEREGRINAÇÃO PAROQUIAL: 

27 de julho: 13 às 17 horas
28 de julho: 19 horas

terça-feira, 26 de julho de 2016

SÃO JOAQUIM E SANTA ANA



Com alegria celebramos hoje a memória dos pais de Nossa Senhora: São Joaquim e Sant’Ana. Em hebraico, Ana exprime “graça” e Joaquim equivale a “Javé prepara ou fortalece”.

Alguns escritos apócrifos narram a respeito da vida destes que foram os primeiros educadores da Virgem Santíssima. Também os Santos Padres e a Tradição testemunham que São Joaquim e Sant’Ana correspondem aos pais de Nossa Senhora. Sant’Ana teria nascido em Belém. São Joaquim na Galileia. Ambos eram estéreis. Mas, apesar de enfrentarem esta dificuldade, viviam uma vida de fé e de temor a Deus.

O Senhor então os abençoou com o nascimento da Virgem Maria e, também segundo uma antiga tradição, São Joaquim e Sant’Ana já eram de idade avançada quando receberam esta graça. A menina Maria foi levada mais tarde pelos pais Joaquim e Ana para o Templo, onde foi educada, ficando aí até ao tempo do noivado com São José.

A data do nascimento e morte de ambos não possuímos, mas sabemos que vivem no coração da Igreja e nesta são cultuados desde o século VI.

São Joaquim e Sant’Ana, rogai por nós!

segunda-feira, 25 de julho de 2016

SÃO TIAGO MAIOR




Nascido em Betsaida, este apóstolo do Senhor era filho de Zebedeu e de Salomé e irmão do apóstolo João, o Evangelista.

Pescador juntamente com seu irmão João, foi chamado por Jesus a ser discípulo d’Ele. Aceitou o chamado do Mestre e, deixando tudo, seguiu os passos do Senhor.

Dentre os doze apóstolos, São Tiago foi um grande amigo de Nosso Senhor fazendo parte daquele grupo mais íntimo de Jesus (formado por Pedro, Tiago e João) testemunhando, assim, milagres e acontecimentos como a cura da sogra de Pedro, a Transfiguração de Jesus, entre outros.

Procurou viver com fidelidade o seu discipulado. No entanto, foi somente após a vinda do Espírito Santo em Pentecostes que São Tiago correspondeu concretamente aos desígnios de Deus. No livro dos Atos dos Apóstolos, vemos o belo testemunho de São Tiago, o primeiro dentre os doze apóstolos a derramar o próprio sangue pela causa do Evangelho:

“Por aquele tempo, o rei Herodes tomou medidas visando maltratar alguns membros da Igreja. Mandou matar à espada Tiago, irmão de João” (At 12,1-2).

Segundo uma tradição, antes de ser martirizado, São Tiago abraçou um carcereiro desejando-lhe “a Paz de Cristo”. Este gesto converteu o carcereiro que, assumindo a fé em Jesus, foi martirizado juntamente com o apóstolo.

Existe ainda outra tradição sobre os lugares em que São Tiago passou, levando a Boa Nova do Reino. Dentre estes lugares, a Espanha onde, a partir do Século IX, teve início a devoção a São Tiago de Compostela.

São Tiago Maior, rogai por nós!

domingo, 24 de julho de 2016

PALAVRA DE DEUS NO DOMINGO



Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 11,1-13

1Jesus estava rezando num certo lugar.
Quando terminou, um de seus discípulos pediu-lhe:
'Senhor, ensina-nos a rezar,
como também João ensinou a seus discípulos.'
2Jesus respondeu: 'Quando rezardes, dizei:
`Pai, santificado seja o teu nome.
Venha o teu Reino.
3Dá-nos a cada dia o pão de que precisamos,
4e perdoa-nos os nossos pecados,
pois nós também perdoamos a todos os nossos devedores;
e não nos deixes cair em tentação'.'
5E Jesus acrescentou:
'Se um de vós tiver um amigo
e for procurá-lo à meia-noite e lhe disser:
`Amigo, empresta-me três póes,
6porque um amigo meu chegou de viagem
e nada tenho para lhe oferecer',
7e se o outro responder lá de dentro:
'Não me incomoda! Já tranquei a porta,
e meus filhos e eu já estamos deitados;
não me posso levantar para te dar os póes';
8eu vos declaro:
mesmo que o outro não se levante
para dá-los porque é seu amigo, vai levantar-se
ao menos por causa da impertinência dele
e lhe dará quanto for necessário.
9Portanto, eu vos digo:
pedi e recebereis; procurai e encontrareis;
batei e vos será aberto.
10Pois quem pede, recebe; quem procura, encontra;
e, para quem bate, se abrirá.
11Será que algum de vós que é pai,
se o filho pedir um peixe, lhe dará uma cobra?
12Ou ainda, se pedir um ovo, lhe dará um escorpião?
13Ora, se vós que sois maus,
sabeis dar coisas boas aos vossos filhos,
quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo
aos que o pedirem! '
Palavra da Salvação.